Intel NUC vs Sapphire Edge VS8 em Linux

por a 23 Janeiro 2013 em Análises, Destaque

Conclusão Benchmarks

Slice

Esta imagem contém os resultados todos. A verde é quando um deles ganha e a vermelho quando um deles perde.

Há alguns pontos que gostava de focar:

Vendo a imagem é claro que o processador que está no Intel NUC ganha por larga margem a maior parte dos benchmarks. Mesmo tendo metade dos cores, a Intel continua a ser uma melhor escolha para processador.

O AMD A8-4555M tem uma gráfica melhor e por isso vence a secção de jogos, mas em benchmarks do GUI, muitas vezes perde por larga margem.
A minha opinião é que os drivers AMD para Linux continuam a ser fracos e podiam ter melhores resultados.

O controlador de memória do AMD é talvez o maior ponto fraco do processador. Tem o dobro dos cores, mas metade da bandwidth.

Temperaturas, ruído e consumo

Raspberry_2152_image213

Raspberry_2152_image215

A nível de temperaturas, os dois computadores aquecem um pouco, o que é compreensível tendo em conta o pouco espaço a nível de volume onde se encontram.
Apesar disto, por fora, nunca se sente mais do que uma sensação morna e não é algo de perigoso. Eles encontram-se bem dentro dos limites.
Seja como for, o Sapphire VS8 consegue ter temperaturas mais baixas.

Raspberry_2152_image217

Raspberry_2152_image219

Raspberry_2152_image221

A nível de consumo, é bastante interessante. Os dois computadores totalmente desligados estando apenas ligadas à electricidade consomem mais de 6W. É algo que não ligamos no dia a dia mas vale a pena começar a pensar nisso.
Em idle o sistema Intel consome muito menos que o Sapphire. Menos de metade, de facto.
A razão para tal parece-me ser por ter menos componentes e por ter uma melhor gestão de energia dentro de Linux. Penso que em Windows o Sistema AMD consiga melhores resultados.
Já em full load, vemos uma inversão. Por estranho que pareça, o sistema Intel consome mais que o sistema AMD. A diferença é pouca. São apenas 4 Watts.
De dizer também que estes não são sistemas para estarem constantemente em full load e têm poder para se fazer muita coisa sem levar o processador ao máximo.

A nível de ruído não tenho medições.
O que posso dizer é que o Intel NUC é na prática, totalmente silencioso. Mesmo em full load, não se ouve. Já o Sapphire não é bem assim. Mesmo a ver apenas um filme, ouve-se um pouco a ventoinha de sistema. Para Media Center, para os mais exigentes, podem não gostar deste pormenor.

Conclusão

Estes são dois dispositivos muito interessantes e que penso que vêm dar uma lufada de ar fresco à gama de computadores ultra pequenos.
É verdade que estes formatos já se encontravam disponíveis, mas normalmente com processadores Atom, que são cada vez menos atractivos.
Estes são processadores de Ultrabooks, que não sendo iguais a processadores de desktop, têm as mesmas características.

Começando pelo Intel NUC. Quando apareceu nas notícias inicialmente, falou-se que seria um competidor do Raspeberry Pi e muito barato. Tendo os dois dispositivos, posso afirmar que isso está longe da verdade. São coisas completamente diferentes, apesar de serem os dois pequenos.
Uma coisa que a Intel conseguiu foi muita publicidade. Pode-se dizer que há mesmo “hype” à volta deste computador.
Em certa medida essa publicidade é merecida. Ele tem um tamanho muito reduzido. É na prática, completamente silencioso. A qualidade de construção é excelente. A performance, tendo em conta o tamanho, é muito boa.
No entanto tem falhas. Não ter USB 3.0 é uma falha muito grave para os dias de hoje e não tem outras opções que muitos outros computadores têm, como bluetooth, saídas de audio, entre outras coisas.
Depois há aqueles pequenos pormenores que não se entendem.
Deram-se ao trabalho de colocar um sensor que toca a melodia da Intel quando se abre a caixa, mas ao mesmo tempo, não integram no pacote o cabo de power para ligar o computador.
O computador tem poucas saídas, mas ao mesmo tempo, colocaram duas saídas HDMI.
São estas pequenas coisas que podem colocar os consumidores de pé atrás.
Dito tudo isto, uma coisa é verdade. Este formato tem potencial. Num espaço tão pequeno, está quase tudo o que uma pessoa precisa e alterando os pequenos pormenores que são incompreensíveis, pode ser um formato que se generalize.

Em relação ao Sapphire Edge VS8, é quase o contrário do Intel NUC a nível de publicidade.
Ele teve um lançamento muito discreto. Quase só apareceu no site oficial da Sapphire. O mesmo se pode dizer do processador, que está virado para o mercado Ultrabook, mas que ninguém o está a usar.
Mais uma palavras para o processador. A meu ver, este é o melhor processador actual da AMD a nível de preço/performance/custo.
É verdade que perde para o processador que se encontra no Intel NUC. No entanto, para uma grande maioria dos consumidores, é algo perfeitamente usável. Além disso, consome muito pouco, é relativamente barato e tem uma boa gráfica.
Voltando ao computador em si, não é o mais amigável em Linux, não tem a mesma qualidade de construção, pode fazer às vezes um pouco de ruído, mas ao todo, não comete os mesmos erros que o Intel NUC.
Temos à disposição uma série de opções, como USB 3.0, displayPort, bluetooth, wireless, saídas de audio, etc.
Além disso, usa um formato de storage que tem mais opções. Com discos 2.5, pode-se até usar um disco mecânico.

Os dois têm prós e contras. É complicado escolher um vencedor, mas diria que o Sapphire Edge VS8 é mais equilibrado.
A escolha entre um e outro, depende das necessidades de cada um, mas o VS8 atinge um público maior.
Por tudo isso, penso que o vencedor é o Sapphire Edge VS8, por uma curta margem.