Notícias

Fair Labor Association apresenta relatório às inspecções da instalações da Foxconn

Bowen Liu/Apple Inc. via Bloomberg

No passado dia 14 de Fevereiro, noticiamos no portal (Apple inicia inspecção às suas fabricas) que Apple iria iniciar inspecções às fábricas da Foxconn na China em colaboração com a Fair Labor Association (FLA).

Na mesma semana que Tim Cook esteve de visita às fábricas dos fornecedores da Apple, a Fair Labor Association (FLA) apresentou o relatório sobre a inspecção às instalações da Foxconn.

A FLA entrevistou 35.000 trabalhadores das fábricas da Foxconn em Guanlan, Longhua, e Chengdu. A maior delas, a fábrica de Guanlan, emprega 73.000 trabalhadores. Das 35.000 pessoas entrevistadas, o FLA relata que apenas 4 por cento eram menores de 18 anos (16 anos é a idade legal para trabalhar na China).

O The Verge apresentou algumas das conclusões deste relatório:

  • Em média, cada funcionário trabalha cerca de 56 horas por semana (o limite legal na China é de 49 horas por semana, incluindo horas extras);
  • Metade dos trabalhadores entrevistados havia trabalhado 11 ou mais dias seguidos.
  • 33 por cento dos trabalhadores relataram que queriam trabalhar mais horas, e temiam que outras restrições poderiam levar à diminuição dos seus salários.
  • Embora os salários pagos sejam superiores ao salário minino na China, 64 por cento disseram que o salário pago não era suficiente para “cobrir as necessidades básicas.”
  • Salário mínimo em Shenzhen é de 1.500 RMB por mês (cerca de US$220 ou 180€), e o salário inicial da Foxconn é 1.800 RMB, equivalente a US$265 ou 215€. Depois de um período de experiência o salário é aumentado para 2200RMB,equivalente US$325 ou 263€ por mês.
  • Os salários médios em cada fábrica são: Chengdu, 2257RMB, Longhua, 2687RMB e Guanlan, 2872RMB.
  • Os sindicatos não existem na Foxconn, mas o FLA descobriu que a adesão a estes é feita principalmente no nível da direcção. Muitos trabalhadores da linha de produção relataram que não sabia da existência de sindicatos.
  • Uma das principais queixas da FLA é que a Foxconn paga horas extras em secções de 30 minutos, o que significa que se um trabalhador completou 25 minutos de horas extras, a Foxconn não lhe paga horas extras.
  • Um dos pedidos da FLA é que a rotina da prática (e legal) de publicar os nomes dos trabalhadores que estão sob a acção disciplinar no site da empresa e nos quadros de avisos da fábrica Guanlan acabem de imediato.
  • “Os trabalhadores jovens (16 a 17 anos de idade) foram encontrados a trabalhar em áreas de risco, tais como a secção CNC ou em algumas postos que poderiam colocá-los em contacto com produtos químicos ou expô-los aos factores de risco físicos, tais como pó de alumínio, o ruído térmico, condições e vibração”.
  •  O pedido de demissão na Foxconn é “extremamente difícil”, os trabalhadores deixam de aparecer desistindo dos seus salários.

O relatório completo pode ser encontrado no site da FLA.

O FLA obteve um compromisso da Apple e da Foxconn para mudar suas práticas até 2013 para estarem em conformidade com a lei chinesa e as normas da FLA.

Segundo o The Verge, como consequência deste relatório a Apple e a Foxconn irão contratar milhares funcionários e diminuir as horas extras e os próprios trabalhadores estão descontentes com as semanas mais curtas.

Etiquetas

Artigos Relacionados

Close
Close