AnálisesDestaque

Análise ao Microsoft Surface 2 Pro

SurfacePro2-2

O Surface Pro 2 vem substituir a versão anterior, Surface Pro, menos de um ano depois do seu lançamento. Tem no seu interior um processador de última geração da Intel e neste caso essa alteração representa uma enorme diferença porque assenta que nem uma luva naquilo que se pretende de um dispositivo como este porque efetivamente pretende ser o melhor de dois mundos: um tablet e um portátil. Já escrevemos no passado sobre o Surface Pro de primeira geração e encontramos alguns pontos para melhoria. Não consideramos naquela altura que merecesse a nossa recomendação pois os problemas que encontramos foram vários, e felizmente foram respondidos nesta segunda tentativa. Mas vejamos então em mais detalhe do que estamos a falar.

Especificações

Surface Pro 2

Surface Pro

Processador Core i5 4200U com gráfica HD4400 (Haswell ULT 15W) Core i5-3317U with HD4000 Graphics (Ivy Bridge 17W)
Ecrã ClearType de 10.6″
Resolução: 1920×1080
Proporção: 16:9Toque: multitoque de 10 pontos
10.6″
Resolução: 1920×1080
Proporção: 16:9
Toque: multitoque de 10 pontos
Câmeras Frontal: 1.2MP
Traseira: 1.2MP
Conectividade Wi-Fi (802.11a/b/g/n)
Tecnologia Bluetooth 4.0 de baixo consumo
Wi-Fi (802.11a/b/g/n)
Memória 4GB ou 8GB LPDDR3 4GB LPDDR3
Armazenamento 64GB ou 128GB nos modelos com 4GB RAM
256GB ou 512GB nos modelos com 8 GB RAM
64GB ou 128GB
Bateria 42 Wh
Dimensões 274 x 173 x 13,5 mm
Peso 900 g
Côr Titânio
Estrutura Vapor MG
Preço 899€ (64GB), 999€ (128GB), 1309€ (256GB), 1809€ (512GB)  Descontinuado

Colocamos propositadamente as especificações do modelo anterior e do actual para verem facilmente que há muitos pontos comuns mas no que diferem faz toda a diferença. O Surface Pro 2 tem no seu interior um processador Intel Core i5 4200U que tem no mesmo chip a placa gráfica. Sempre tivemos a ideia que as gráficas da Intel eram bastante más e por um bom motivo. Efetivamente a AMD e a Nvidia com placas dedicadas sempre tiveram muito mais performance, mas sempre com um consumo mais elevado. Há sempre compromissos que acabam por ter que se fazer e ter o poder de processamento, peso e autonomia adequada num equipamento com estas dimensões exige naturalmente imensos compromissos.

Começando pelo processador a sua escolha é feliz, tem um consumo máximo de 15W e uma performance muito interessante. Numa leitura menos atenta pode parecer que o ganho é de apenas 2W – update: o ganho efectivo é de 5W em relação á geração anterior, isto porque o Haswell é um SOC o que elimina o consumo do chipset que no Ivy Bridge consumia 3W além do ganho de 2W referido –  mas o salto em particular no processamento gráfico torna o modelo actual uma melhor opção. Com o baixo consumo aquece menos, pode ser mais silencioso tornando a utilização mais agradável. A evolução da gráfica nesta geração é elevada e apesar de esta não ser a melhor placa gráfica desta geração da Intel não teve qualquer problema quando liguei o Surface Pro 2 a um monitor de 27″ com uma resolução de 2560×1440 pixels.

O equipamento que nos foi disponibilizado tem um SSD de 64GB. As opções restantes são de 128GB, 256GB e 512GB com um aumento significativo do preço como seria de esperar. É mais uma vez um compromisso que tem que ser feito. O preço dos SSD é muito elevado quando comparado com os discos mecânicos mas a sua rapidez e a sua diminuta dimensão física são o melhor que o utilizador pode desejar. Tudo é muito mais rápido e seguramente que quem tem um computador com alguns anos e atualizou o disco para um SSD está neste momento com um sorriso porque sabe que este é possivelmente o maior avanço nos últimos anos com mais impacto na utilização dos computadores.

A falta de espaço é colmatada pela existência de uma slot microSD que permite alojar um cartão com 64GB aumentando assim de forma significativa o espaço. Mas a minha recomendação pessoal seria olharem para o modelo de 128GB e superior, temo que 64GB seja curto para a maioria dos utilizadores.

Este é um verdadeiro equipamento com Windows 8. O ecrã tem umas cores ricas e uma excelente resposta ao toque. Sem equipamento para medições rigorosas a nossa opinião é que é um excelente ecrã.

Quanto ao WiFi nota-se a falta da norma 802.11ac que começa a ser comum em alguns topos de gama mas não me parece muito problemático a sua ausência até porque apenas irão usufruir se tiverem um router com essa norma disponível e se necessitarem de fazer transferência de forma rápida têm sempre a opção de usarem USB 3.0.

Um ponto que também merece comentário é o peso e a espessura. Não houve alteração neste campo em relação ao modelo original mas espero que numa próxima revisão isso suceda. Todavia o peso quando consideramos que estamos perante o hardware de um ultrabook torna-o uma excelente opção. É óbvio que existem tablets mais finos e leves mas não permitem ter tudo o que o Surface Pro 2 oferece.

A conexão do cabo de alimentação ao Surface Pro 2 pode ser melhorada: é magnética mas raramente consegui que ficasse ligada à primeira. Estranho que não tivesse havido melhoria porque é uma queixa muito comum no modelo original. Além disso quando está ligada a alimentação temos um LED branco que indica que está ligado mas seria interessante que este LED nos transmitisse mais informação: refiro-me a ter uma cor quando está a carregar o dispositivo, ter outra cor quando ele está carregado.

Já a existência de uma porta USB no carregador que serve para carregar outros dispositivos é interessante já que não necessitamos de andar com um carregador extra para o smartphone por exemplo.

1 2 3 4 5Página seguinte
Etiquetas

Artigos Relacionados

Close