AnálisesDestaque

Análise às memórias G.Skill Ripjaws V DDR4 16GB

Hardware utilizado

Para testar este kit de memórias tivemos que fazer upgrade à nossa máquina de testes para a nova plataforma da Intel. Listamos abaixo o hardware utilizado e iremos nas próximas semanas falar em mais detalhe de alguns dos componentes. A escolha da motherboard prendeu-se por já estarmos a usar na plataforma anterior a correspondente pelo que achamos que pelo menos em teoria introduziria menor variação. O outro motivo foi por ser das poucas inicialmente disponíveis com saída DisplayPort, o que no nosso caso resolvia facilmente o problema de poder ser usado com a gráfica onboard em monitores com resolução bastante acima a Full HD sem qualquer complicação. Para efeito de testes todos os testes foram efetuados a 1920×1080 pixels.

Processador Intel Core i7 6700K Intel Core i7 4790K
Cooling SilverStone Tundra TD02-Lite Antec Kuhler 620
Motherboard ASRock Z170 Extreme4 (BIOS 1.6) ASRock Z97 Extreme4
Gráfica MSI GTX 960 Gaming 2G MSI GTX 960 Gaming 2G
RAM G.Skill Ripjaws V DDR4 2x8GB Crucial Ballistix Sport 2 X 8GB DDR3
Armazenamento OCZ ARC 100 240GB OCZ RevoDrive 350 480GB
Fonte de Alimentação SilverStone 550W Antec CP-1000
Caixa SilverStone Kublai KW05-W Benchtable aberta
Sistema Operativo Windows 10 Pro Windows 7 SP1

Benchmarks

Temos um número de testes muito mais vastos já realizados e continuamos a efetuar mais mas para o efeito apenas colocamos os gráficos que mais sentido faziam para as memórias.

AIDA64

AIDA64-CPU-Memory

Para os benchmark começamos com o AIDA64 na sua mais recente versão, a 5.30 que já tem suporte para o Skylake e memórias DDR4. Dentro do AIDA64 temos um benchmark para medir a bandwidth das memórias e colocamos também o i7 4790K com memórias DDR3-1600 para comparar.

Podemos ver que mesmo com as memórias em stock, a 2133 MHz, ganha-se uma larga vantagem para o i7 4790K com memórias DDR3-1600. Consegue ultrapassar os 30 GB/s nas diferentes operações, enquanto o i7 4790K anda apenas perto dos 25 GB/s. Mas estas memórias não são para colocar a 2133 MHz, por isso temos também resultados a 3000 MHz com e sem overclock no processador e a 3100 MHz que é possível atingir sem mudar os timings. Podemos ver ganhos substanciais, a rondar acima dos 40 GB/s. Aplicações que sejam intensivas do lado da memórias vão gostar de DDR4, especialmente a este valor de 3000 MHz. A nível de latência, os números não estão espelhados no gráfico, mas DDR3 tem uma pequena vantagem, sendo que DDR4 não fica muito atrás.

CrystalMark

CrystalMark-Memory

O segundo benchmark que utilizamos é o CrystalMark, que tem uma suite só para efetuar benchmarks às memórias. Podemos ver a vantagem que DDR4 a 2133 MHz tem sobre DDR3 a 1600 MHz. É um salto considerável. Mas usando a especificação XMP destas memórias, a 3000 MHz, obtém-se mais um grande salto. A 3100 MHz a vantagem para 3000 não é grande mas se fizermos overclocking ao processador, em algumas operações temos mais alguns pequenos saltos a nível de performance.

MaxxMEM²

MaxxMEM2-Speed

Em seguida temos o MaxxMEM² que testamos nas diferentes configurações do sistema. O que ele mostra vem confirmar os dois últimos benchmarks. A nível de bandwidth, DDR4 mesmo em stock ganha bastante vantagem a DDR3, mas quando colocamos estas G.Skill a 3000 MHz, o valor recomendado para elas, a performance aumenta significativamente.

Nem todos os benchmarks mais práticos vão mostrar esta vantagem, mas em benchmarks que façam muita leitura e escrita para memória, DDR4 é consideravelmente melhor.

PCMark 8

PCMark8-Home

PCMark8-Work

PCMark8-Creative

Por fim temos um teste mais prático, o PCMark 8, nas suas três categorias: casa, trabalho e criativo.
O que podemos verificar é que em programas mais utilizados em casa as diferenças entre os dois sistemas são quase zero e o uso de DDR4 pouca diferença faz. Em trabalho empresarial, há pequenos ganhos mesmo em stock e um ganho maior a 3100 MHz. Os ganhos não são substanciais em relação ao anterior i7. Em trabalho criativo, em que podemos englobar edição de imagem e video, os ganhos mesmo a stock são bastante elevados, mas a principal razão parece estar no processador, pois quando se aumenta o seu clock os resultados também melhoram.

Overclocking

Nos resultados foi possível ver o que conseguimos com este kit, ou seja coloca-las a 3100 MHz sem problemas com os mesmos settings que tínhamos a 3000 MHz. A 3200 MHz tivemos que aumentar os timings, o que em termos de resultados acabaram por ser inferiores aos que obtivemos a 3100 MHz pelo que, sendo conservadores e sem aumentar a voltagem de modo a não arriscar qualquer problema com o hardware, podemos dizer que o overclock é de 100MHz para um kit que já por si tem uma velocidade considerável.

Página anterior 1 2 3 4Página seguinte
Etiquetas

Artigos Relacionados

Back to top button
Close
Close