AnálisesDestaque

Gigabyte Aorus AX370-Gaming 5

Fotos

Na frente da caixa, mais do que a Gigabyte, é a marca Aorus que tem a honra do maior destaque.

Na traseira, o espaço é pouco para destacar as inúmeras características diferenciadoras desta motherboard.

No interior da caixa, em primeiro plano encontramos a motherboard, devidamente acondicionada dentro de um saco anti-estático.

No compartimento inferior vêm todos os acessórios e documentação.

Um conjunto um pouco mais extenso do que é habitual.

O cabo desta imagem é uma extensão RGBW, para facilitar a ligação de acessórios de iluminação LED.
Temos ainda algumas etiquetas para cabos SATA.

Dois sensores de temperatura externos complementam os 7 integrados na motherboard, para que os utilizadores possam monitorizar facilmente qualquer ponto ou componente que lhes interesse particularmente.

Dois atilhos de velcro, um emblema autocolante e 4 cabos SATA.

O escudo do painel traseiro.

O habitual (e cada vez mais inútil) CD com drivers e software, um guia de instalação rápida e o manual da motherboard.

Uma Bridge SLI HB com o espaçamento adequado para esta motherboard, que deixará satisfeito quem tencionar enveredar por configurações multi-GPU.

Por fim, um pequeno acessório que não parece muito, mas que quanto a nós já deveria ser equipamento standard de todas as motherboards há largos anos.
Este adaptador serve para agregar todos os conectores dos interruptores e LEDs indicadores do painel frontal, facilitando imenso a sua posterior ligação à motherboard.

A primeira impressão ao sair do saco é uma de grande robustez e qualidade de construção.

Se não o soubéssemos de antemão, a grande densidade de componentes e conectores encarregava-se de denunciar o facto de estarmos na presença de uma motherboard carregada de funcionalidades.

Na traseira salta à vista o backplate que é parte integrante desta plataforma.
Também é possível observar os postos de ancoragem dos reforços das slots PCIe e das memórias.

Pormenor do socket e circuito de alimentação. Este circuito é composto por 10 fases que se dividem em 6 para os núcleos do CPU e 4 para o SOC/uncore. Este é um circuito muito competente, com componentes de grande qualidade e que não deverá ter absolutamente nenhuma dificuldade em alimentar os CPUs Ryzen com qualquer overclock dentro dos limites práticos.
No canto superior esquerdo é possível ver um conector RGB, em excelente posição para ser usado pelos coolers da AMD com iluminação embutida.

Pormenor de um dos dissipadores do circuito de alimentação. À sua direita temos o conector de 8 pinos de alimentação do CPU. À esquerda, 2 conectores para ventoinhas e/ou bombas do cooler do CPU.

As slots PCIe. Temos 3 slots x1 e 3 x16. Todas as slots x16 são dotadas de um reforço metálico, embora a última seja apenas PCIe 2.0 x4, não se adequando, portanto, à utilização por placas gráficas.
As restantes duas são alimentadas por 16 linhas PCIe 3.0 do CPU e podem funcionar em modo x16/x0 ou x8/x8, para configurações multi-GPU.
No cimo da imagem temos o circuito de audio, numa área isolada do PCB e debaixo de uma protecção, de modo a minimizar as interferências eléctricas. Este circuito faz uso do mais recente codec da Realtek, o ALC 1220. Este codec incluí um amplificador para auscultadores de maior impedância, mas apenas pode alimentar uma saída. De modo a contornar esta limitação e oferecer amplificação para auscultadores tanto no painel traseiro como no painel frontal, a Gigabyte optou por incluir não um, mas dois(!) destes codecs no circuito audio desta motherboard.

As slots de memória também possuem reforços metálicos, que contribuem para reduzir substancialmente o esforço na motherboard durante a instalação de módulos. Particularmente útil para quem, como nós, troca de memória com frequência.
No canto temos botões integrados de on/off, reset (branco), Clear CMOS e um botão de Overclock, que quando activado carrega um perfil de overclock automático.
Temos ainda o conector de alimentação ATX de 24 pinos, 2 conectores para ventoinhas e 2 conectores internos para 4 portas USB 3.0. O pequeno jumper imediatamente acima do conector de ventoinha é um dos conectores para os sensores de temperatura externos.
Junto à extremidade é possível observar um difusor acrílico da iluminação RGB.

Este difusor é amovível e pode ser personalizado.

Na mesma extremidade, mais abaixo, encontramos uma pouco habitual porta U.2, para SSDs NVMe que a suportem. Esta porta usa as linhas da slot M.2, pelo que não é possível utiliza-las em simultâneo.
Além da porta U.2, temos também 8 portas SATA 3 tradicionais, que devem ser mais do que suficientes para cobrir as necessidades de armazenamento da esmagadora maioria dos utilizadores.
4 destas portas poderiam ser usadas como duas portas SATA Express, se dispositivos desses existissem.

Pormenor do dissipador do chipset. É sempre uma questão subjectiva, mas o design é bastante agradável, na nossa opinião.
Este dissipador é oco e aberto nas extremidades superior e inferior, facilitando a circulação do ar por convecção, o que ajuda a baixar mais um pouco a temperatura do chipset, quando a motherboard é instalada na vertical.

Abaixo do dissipador temos o conector para os botões e LEDs do painel frontal. Quem não quiser usar o acessório que agrega essas ligações num só conector tem, ainda assim, a vida facilitada por um esquema de cores que identifica claramente a função de cada conjunto de jumpers.
Ao lado encontramos mais 3 conectores para ventoinhas e o segundo conector para sensor externo de temperatura.
Entre o mostrador de códigos de diagnóstico e os conectores para ventoinhas temos 4 pequenos LEDs, que acendem em caso de problemas no arranque, permitindo identificar rapidamente a origem do problema.

No fundo da motherboard encontramos ainda o conector para o audio do painel frontal, o conector S/PDIF Out do segundo ALC 1220, dois pequenos interruptores que permitem seleccionar entre as duas BIOS, um conector RGBW, com suporte a fitas de LEDs UV, um conector para módulos TPM e 2 conectores internos USB 2.0.

Pormenor da slot M.2. Esta slot suporta módulos de 24 a 110mm de comprimento. O parafuso de fixação vem pré-instalado, o que evita que se perca na caixa.

Por fim, o painel traseiro. Aqui temos, da esquerda para a direita:
Uma porta PS/2 para rato ou teclado e duas portas USB 3.0; duas portas USB 3.0 e uma porta HDMI 1.4; duas portas USB 3.1, uma delas Tipo-C; uma porta de rede, via Killer E2500, e duas portas USB 3.0; uma porta de rede, via Intel I211, e duas portas USB 3.1; conectores áudio de 3,5mm e saída óptica S/PDIF.
As portas USB de cor amarela são alimentadas por um circuito dedicado, sendo particularmente indicadas para DACs externos e outros dispositivos USB com necessidades de alimentação mais exigentes ou delicadas.
Gostamos da abordagem da Gigabyte às saídas de vídeo. Não desperdiça espaço com portas que dificilmente serão usadas numa motherboard deste segmento, mas não deixa de oferecer a funcionalidade com uma porta HDMI, o standard mais universalmente usado, na actualidade.

Para os testes, particularmente de overclock, usamos o Artic Liquid Freezer 240 para arrefecer o processador.

Mas para as fotos, fomos buscar o Wraith Spire RGB à gaveta.

Graças ao conector RGB, combina na perfeição com a iluminação integrada desta motherboard.

Pormenor dos LEDs da zona das slots PCIe.

A iluminação integrada nas slots de memória.

O difusor acrílico personalizável.

Na penumbra, o efeito da iluminação é particularmente acentuado.

Na falta de candeeiro, temos motherboard!

Página anterior 1 2 3 4 5Página seguinte
Etiquetas

Artigos Relacionados

Back to top button
Close
Close