AnálisesDestaque

Gigabyte X299 AORUS Gaming 9

Fotos

Esta motherboard chega-nos numa caixa… substancial. Além do tamanho, o peso de toda a embalagem é logo um sinal de que estamos na presença de uma motherboard incomum.
Na frente temos em grande destaque o falcão estilizado da Aorus. 

Na traseira encontramos as especificações e um sem fim de características e tecnologias em destaque.

No interior encontramos um nível de protecção muito pouco comum, com esponja em todo o perímetro e uma cobertura plástica. Mais um sinal de que estamos na presença de uma motherboard especial.

Por baixo da motherbord temos uma grande folha de autocolantes temáticos.

No fundo da embalagem encontramos uma segunda caixa.

E no interior, todos os, muitos, acessórios e documentação.

Pormenor dos autocolantes

O manual, o guia de instalação e um CD com drivers e software.

Entre os acessórios contam-se 6 cabos SATA, duas extensões para LEDs RGB e um adaptador M.2 -> U.2.

Temos ainda uma extensão LED digital, um adaptador para faciliatr a ligação dos cabos do painel frontal, duas braçadeiras de velcro, uma bridge SLI, uma antena WiFi e dois sensores de temperatura externos.

Pormenor do adaptador U.2. embora a motherbord não tenha nenhuma porta U.2 integrada, este adaptador pode ser usado para converter uma das 3 slots M.2.

E no caso de 3 portas M.2 não serem suficientes, a Gigabyte incluí ainda um adaptador M.2 para slot PCIe x4.

Este adaptador vem munido de um dissipador com adesivo térmico pré-aplicado, de modo a manter qualquer drive dentro de temperaturas saudáveis.

A motherboard em toda a sua glória. Não há muita área de PCB que não esteja coberta por um conector ou componente de algum tipo.

A traseira é coberta quase na totalidade por uma protecção metálica que ajuda a explicar o peso substancial desta motherboard.

O Socket LGA 2066 é muito semelhante ao anterior 2011-V3, partilhando com ele as principais dimensões, incluindo a altura e a distância dos pontos de fixação de dissipadores, mantendo, assim, a compatibilidade com todos os já existentes para a plataforma anterior.
Imediatamente abaixo do socket do CPU encontramos o primeiro de 3 sockets M.2. Este suporta drives até 80mm de comprimento.


De cada lado do socket temos 4 slots para memória DDR4, para um total de 8, 2 por cada canal. Esta disposição obriga a que a totalidade do circuito de alimentação do CPU seja colocado no topo do socket.

O circuito de alimentação integra 8 verdadeiras fases dedicadas aos núcleos, com controlo digital e componentes de elevada qualidade, como se espera de uma motherboard deste nível.
Deverá estar à altura de sustentar condignamente os CPUs desta plataforma, que, como é sabido, exigem alimentação robusta, particularmente com overclock.

O circuito de alimentação da memória localiza-se do lado esquerdo, semi-escondido pela protecção plástica do painel traseiro.
Debaixo da mesma protecção está também o módulo WiFi integrado, um Killer Wireless-AC 1535 capaz de 1,8 Gbps N/AC combinados. 

No canto superior esquerdo temos um de 8 conectores para ventoinhas.
É também visível a ligação para a iluminação do painel traseiro.

Ainda no topo, do lado direito temos, não um, mas dois conectores de alimentação de 8 pinos, para garantir que os CPUs recebem toda a energia de que necessitam. A motherboard funciona perfeitamente com apenas um ligado, no entanto. Continuando, encontramos um conector para tiras LED RGBW e dois conectores para ventoinhas.
Na margem direita temos mais dois conectores para ventoinhas (o de cima, capaz de fornecer até 3A de corrente eléctrica, suficientes para praticamente qualquer bomba de watercooling), o conector de alimentação ATX de 24 pinos, um header interno USB 3.0 e, pela primeira vez numa das nossas analises, um conector interno para uma porta USB 3.1 Gen2 (10Gb/s).

A rodear o chipset temos, à direita, 8 portas SATA e, imediatamente abaixo destas, o conector para placa de expansão thunderbolt. Imediatamente abaixo, mais um socket M.2, também com suporte a drives de até 80mm de comprimento.
No fundo da motherboard é visível o conector para os interruptores e LEDs do painel frontal, outro conector interno USB 3.0 e um mostrador alfanumérico para despistagem de problemas. Entre o conector do painel frontal e o socket M.2 temos um botão de Clear CMOS (mais prático que o habitual jumper) e o conector para a chave Intel VROC, adquirida em separado e necessária para desbloquear a possibilidade de configurar drives PCIe ligadas nas linhas do PCI em RAID.


Esta motherboard conta com 5 slots de expansão PCIe, todas x16 fisicamente, todas com reforço metálico e todas com iluminação RGB integrada.
A 1ª, 3ª e 5ª utilizam linhas do CPU. Com CPUs de 44linhas (a opção mais provável de quem adquire uma motherboard deste nível) estas slots podem funcionar em modo x16/x16/x0 ou x8/x16/x8.
A 2ª e 4ª utilizam linhas do chipset e funcionam em modo x4.

Entre a 1ª e 2ª slot PCIe encontramos o socket M.2 final, este com suporte a drives de até 120mm de comprimento.

No fundo, continuando a partir do mostrador alfanumérico, temos mais dois conectores para ventoinhas, dois conectores internos USB 2.0, botões de Power, Reset, OC e Eco, o conector TPM, um segundo conector para LED RGBW e, imediatamente acima, um conector para LED Digital, o conector áudio do painel frontal.
Por fim, acima da 1ª slot PCIe, ao lado das slots de memória, o conector para ventoinha final.

Na margem esquerda temos o circuito de Audio integrado, debaixo de um escudo electro-magnético.
Aqui a Gigabyte emprega o actual codec de topo da Realtek, o ALC1220, complementado por OP-AMPs TI Burr-Brown, um DAC ESS Sabre e um sensor de impedância que ajusta automaticamente a amplificação aos auscultadores ligados. Dificilmente alguém, além dos profissionais do ramo, sentirá necessidade de complementar esta solução com dispositivos adicionais.

O painel traseiro desta motherboard integra o seu escudo de protecção, que por sua vez integra iluminação RGB, difundida por uma placa acrílica.
Da esquerda para a direita temos uma porta PS/2 para rato ou teclado, duas portas USB 3.0 com alimentação dedicada (tecnologia DAC-UP), especialmente indicadas para periféricos de grande consumo de energia ou mais sensíveis à estabilidade da alimentação; duas portas USB 3.0; uma porta USB 3.1 tipo-C; duas portas USB 3.1 e a porta GbE do controlador da Killer; duas portas USB 3.1 e a porta GbE do controlador Intel; os conetores para a antena WiFi; os conetores áudio 3,5mm e uma saída óptica S/PDIF.

Destacamos a porta USB branca, que permite actualizar a BIOS da motherboard a partir de uma drive USB sem qualquer CPU ou memória instalados.

Todos os sockets M.2 vêm munidos de dissipadores metálicos, com adesivo térmico pré-aplicado. A película protectora deve ser removida antes da montagem.
O ponto de aparafusamento dos dissipadores é fixo. Para a montagem de drives mais curtas, a Gigabyte inclui um conjunto de parafusos de fixação, que podem ser montados em qualquer dos pontos intermédios.

A inserção acrílica do dissipador do chipset é amovível e pode ser substituído por outras, personalizadas, consoante o gosto e vontade do utilizador.

A instalação do CPU é igual à anterior plataforma LGA 2011-V3. E quem está familiarizado com LGA 115x também não deverá ter problema.

As alavancas só abre por uma ordem, esquerda primeiro, e direita depois.  Por segurança, a 1ª alavanca tranca a 2ª, tornando impossível abrir pela ordem errada. A menos que se empreguem níveis de força incompatíveis com o bem estar do material, claro.

Depois de colocar o CPU no seu lugar, com o cuidado necessário a evitar dissabores com pinos empenados, é só fechar a tampa.

E trancar as alavancas por ordem inversa, direita primeiro, para fixar a tampa no lugar e esquerda depois, para distribuir a pressão uniformemente pelo CPU.

A montagem de dissipadores é bastante simples, neste socket. Modelos a ar são, normalmente, simplesmente aparafusados directamente ao socket.
No caso do Arctic Liquid Freezer utilizado por nós, e de todos os AIOs da Asetek, basta começar por aparafusar os espaçadores incluídos para LGA 2011(-v3)/2066.

E de seguida colocar o cooler, já com o adaptador apropriado, e aparafusar.

É impossível testar convenientemente esta plataforma sem um kit de memória quad-channel. No nosso caso, foi utilizado um kit de G.Skill Trident Z RGB 4x8GB 3600MHz, que também terá direito a uma análise dedica em breve.

O nosso Toshiba OCZ RD400 já no seu lugar.

O sistema quase pronto.

E já com a indispensável placa gráfica.

Agora, sim! Tudo a postos para os testes. Mas antes…

RGB!

Muito RGB!

E mais um pouco, para terminar.

Página anterior 1 2 3 4 5 6 7Página seguinte
Etiquetas

Artigos Relacionados

Back to top button
Close
Close