AnálisesDestaque

Biostar Racing X570GT

BIOS e Software

A interface da BIOS desta motherboard é uma lufada de leveza e simplicidade que, confessamos, nos agrada bastante.

Nos primeiros separadores encontramos todas as habituais opções de configuração da BIOS e dos diferentes componentes da motherboard, opções de boot, etc…

No separador O.N.E. temos as opções de overclock. É também aqui que se pode ativar o perfil XMP da memória RAM.

No último separador, além de guardar as alterações e sair da BIOS é também possível guardar e carregar diferentes configurações em perfis.

A BIOS tem ainda duas páginas à parte, acessíveis com as teclas F5 e F6 onde é possível configurar as curvas das FANS e a eventual iluminação LED. Infelizmente a habilidade de guardar screenshots não funcionou nestas páginas, mas a interface é semelhante à do software para Windows, que mostramos mais abaixo.

O software dá pelo nome de Racing Utility e condensa informação e controlos sobre a motherboard numa interface simples de separadores.

O primeiro fornece informação sobre o hardware instalado, nomeadamente, motherboard, CPU e memória.

O segundo consiste num controlo de volume que a Biostar indica servir para ajudar a calibrar o volume sonoro de eventuais headphones ligados no painel frontal.

Aqui encontramos perfis de gestão de energia.

Neste separador é possível controlar eventuais dispositivos de iluminação LED ligados à motherboard. Ressalvamos que a motherboard não possuí iluminação integrada, apenas conectores para dispositivos externos.

E aqui um dos separadores mais importantes, já que permite domar a ventoinha do chipset. Recomendamos que este controlo se faça via BIOS sempre que possível, no entanto, já que alterações feitas via software não são guardadas e requerem que o software seja sempre iniciado manualmente para serem re-aplicadas.

No separador de monitorização encontramos informações de temperaturas, voltagens e velocidade de ventoinhas.

Finalmente, no separador de OC encontramos alguns controlos básicos que permitem algum overclock directamente no Windows.

No último separador encontramos apenas informação da versão do software. Esperávamos encontrar aqui também algum tipo de opção de arrancar o software automaticamente com o Windows, mas tal não existe. Tendo em conta que as alterações feitas no software só são aplicadas quando este se encontra em execução, parece-nos uma falha importante.
É sempre possível adicionar a aplicação à pasta de arranque do Windows, mas uma opção integrada no software é sempre preferível, a bem da comodidade e facilidade de utilização.

Página anterior 1 2 3 4 5Página seguinte

Artigos Relacionados

Back to top button
Close
Close