Guias

Guia de compra: Motherboards

A motherboard funciona como a espinha dorsal de qualquer sistema. É nela que todos os restantes dispositivos de conectam, e muitos já vêm integrados, como áudio ou rede. É também a motherboard que define o tipo e quantidade de conectividade e possibilidades de expansão do sistema.
Um aspecto importante: a motherboard não afecta a performance geral do sistema. Muitos utilizadores optam por motherboards mais caras na crença de que isso lhes trará melhor performance quando na verdade apenas estão a pagar por funcionalidades extra que nunca vão usar. É preciso saber exactamente do que se precisa para escolher a motherboard mais adequada a cada sistema. Os pontos a ter em atenção são então:

  • A plataforma: a plataforma é definida pelo socket e, em menor grau, pelo chipset. É o socket que define o tipo de CPUs que a motherboard pode utilizar, pelo que a escolha da plataforma é sempre o primeiro passo da montagem de um sistema.-
  • O formato: O formato ATX ainda é o mais comum, com as suas 7 slots de expansão é também o formato mais flexível. Mas a crescente integração de componentes na motherboard tem ajudado a popularizar formatos mais pequenos. As motherboards Micro-ATX apenas cortam as slots de expansão de 7 para 4, oferecendo, de resto, níveis de funcionalidade idênticos às ATX e são, normalmente um pouco mais baratas, permitido ainda a montagem de sistemas um pouco mais compactos. E temos também o cada vez mais popular formato mini-ITX, que com os seus 17×17 cm permite a montagem de sistemas desktop completos em volumes incrivelmente reduzidos.
  • Conectividade: o tipo e número de portas que a motherboard disponibiliza, como portas USB, de rede, de vídeo, etc. Não vale a pena pagar por portas que não serão utilizadas, mas pior é ficar sem a porta que era mesmo necessária.
  • Possibilidade de expansão: o número de slots de RAM PCI(e). Estas slots permitem adicionar RAM no futuro e expandir o sistema com novas capacidades e dispositivos extra, como novas tecnologias de rede ou placas especializadas de captura de vídeo, por exemplo.
  • Dispositivos integrados: a quantidade e qualidade dos dispositivos integrados, como placas de rede e áudio. Cada utilizador tem o seu grau de exigência, e deverá ver se os dispositivos integrados estão ao nível do que pretende.
  • Outros extras: suporte a overclock, suporte a multi-GPU, tecnologias de monitorização, RGB, etc.

Analisando estes pontos cuidadosamente, não deverá ser difícil a cada utilizador fazer corresponder a motherboard às suas necessidades especificas.

Deixamos as nossas sugestões para algumas das situações mais comuns:

Intel – LGA1151

Antes de mais, importa ressalvar que as boards que se seguem não são compatíveis com os recém lançados CPUs Intel de 8ª geração, apesar de usarem o mesmo socket. Para esses temos uma secção dedicada mais abaixo.

Soluções de baixo custo:

 ​
As motherboards baseadas no chipset Intel H110 mantêm-se as rainhas no baixo custo. Por cerca de 55€, opções como a MSI H110M PRO-VH Plus, Gigabyte H110M-Gaming 3 ou Asus H110M-K oferecem toda a funcionalidade básica e revelam-se a solução ideal para casar com um Pentium G4560 para máquinas de escritório, que não deixaram ninguém a pedir mais em tarefas de produtividade, navegação web e até consumo de conteúdos, como vídeos ou música.
Existem outras variantes destes modelos, com diferentes combinações de portas de vídeo, por exemplo, para que os utilizadores possam escolher o que melhor se adapta às suas necessidades especificas.

Soluções para máquinas mais capazes:

[​IMG] ​

Neste segmento consideramos que as actuais propostas da AMD representam um melhor valor para a maioria dos utilizadores e sugerimos a consulta da secção AM4. Para quem, por necessidade ou simples preferência pessoal, insista em seguir a via do i5, motherboards como a MSI B250M Bazooka ou a ASUS Prime B250M-A oferecem por cerca de 80€ tudo o que a grande maioria dos utilizadores necessita e salvaguardam o futuro, incluindo já suporte a drives SSD M.2 PCIe.
Por cerca de 15€ extra, as MSI B250 PC MATE e ASUS Prime B250 Plus oferecem o mesmo no formato ATX, para os raros casos em que as slots de expansão extra sejam necessárias.

Soluções para sistemas de jogos com um i7 7700K:
 ​
Para uma utilização essencialmente focada em jogos, o i7 7700K tem-se mantido como o rei da performance, graças a 4 dos mais rápidos núcleos da história da informática que, além de virem com frequências muito elevadas de fábrica, podem ser levados ainda mais além com a motherboard certa. De preferência uma que também suporte multi-GPU, para que não falta poder gráfico a acompanhar. E aqui entra a MSI Z270 SLI Plus, disponível por cerca de 150€, oferece uma excelente relação preço/funcionalidade, suportando todas as tecnologias e funcionalidades mais relevantes, incluindo duas slots M.2 para drives NVMe, overclock e SLI. Em face desta proposta torna-se, quanto a nós, difícil justificar valores superiores por uma motherbaord deste segmento.
Mas para os entusiastas que o conseguem fazer, a ASUS Maximus IX Hero tem sido a referência para quem quer espremer os seus CPUs até ao último MHz, graças a funcionalidades avançadas de overclock e um circuito de alimentação mais sólido. Outras características, como o circuito áudio integrado elaborado e o suporte a iluminação RGB, também ajudam a justificar os 275€ que este modelo custa.
E as mini-ITX? 
A MSI B250I Gaming Pro AC, disponível por 110€, é provavelmente a board mais equilibrada do seu segmento, oferecendo uma slot M.2 e WiFi 802.11ac integrado. Adequa-se perfeitamente tanto a sistemas de jogos e trabalho compactos, como a HTPCs.​

Quem pretender capacidade de overclock, para montar o derradeiro lobo em pele de cordeiro, como tudo o que pode ser encontrado num sistema de gama alta de maiores dimensões tem, por 150€, um excelente valor na Gigabyte Z270N-Wifi. Quem já não consegue viver sem RGB, pode escolher entre a MSI Z270I Gaming Pro Carbon AC a ASUS ROG Strix Z270I Gaming e a Gigabyte Z270N-Gaming 5, todas a rondar os 200€.

Intel – LGA1151 para a 8ª geração (Coffee Lake) – Z370

Pelo menos até ao inicio de 2018, a oferta de motherbords para estes novos CPUs está limitada a modelos baseados no chipset Z370. Pela positiva, todas estas motherbords suportam overclock, pela negativa, são mais caras que os modelos Bxxx e Hxxx que normalmente ocupam os segmentos mais baixos.

Assim, os modelos mais em conta para esta plataforma começam, por enquanto, nos relativamente elevados 110€ da MSI Z370-A Pro, uma motherbaord que já inclui toda a funcionalidade necessária aos utilizadores comuns e que se assume como a opção ideal para parear com um dos novos i3 8100 ou i5 8400.
Quem necessitar de suporte a SLI encontra uma excelente solução na Gigabyte Z370XP SLI, por cerca de 155€.
s utilixadores que procuram motherbords mais completas, com todas as mais recentes tecnologias e tendências, incluíndo extenso suporte a SLI, tem boas opções em modelos como a MSI Z370 Gaming Pro Carbon AC, Gigabyte Z370 Ultra Gaming ou ASUS Prime Z370-A, por valores entre os 180 e os 200€

Os fãs do mini-ITX também já têm encontram soluções para os seus casos, na forma da MSI Z370I Gaming Pro Carbon AC, disponivel por 180€, e a ASUS ROG Strix Z370-I Gaming, à venda por 210€.

Intel – LGA 2066

Qualquer motherboard baseada em X99 será uma motherboard de gama alta, pelo que a nossa recomendação primária passa pelas mais baratas do mercado, a rondar os 270€. Modelos como a MSI X299 Raider, a Gigabyte X299 UD4 e a ASUS TUF X299 Mark 2 deverão satisfazer plenamente as necessidades de qualquer utilizador, particularmente de quem procura esta plataforma por motivos profissionais.
Para a franja de utilizadores mais entusiastas, para quem “suficiente” não chega, os principais fabricantes disponibilizam modelos como a Gigabyte X299 AORUS Gaming 7 e Gaming 9, a MSI X299 XPOWER Gaming AC ou a ASUS Prime X299-Deluxe. Estas são verdadeiras motherboards tudo-em-um, construídas com componentes de topo e repletas de funcionalidade, conectividade e “eye-candy”. Com preços a rondar e até acima de 500€, são investimentos difíceis de justificar do ponto de vista racional. Mas sabemos que “racional” é um conceito subjectivo para o público alvo destes modelos.

AMD – AM4

A solução geral:

[​IMG] ​
No seu regresso à verdadeira competição, a AMD atacou o mercado com todas as armas ao seu dispor, não deixando nenhum trunfo no bolso. O maior deles, surpreendentemente, acabou por vir do lado das motherboards e não dos CPUs: o suporte a overclock no seu chipset B350, tornado-o num cavalo de batalha muito mais efectivo. Isto faz das motherboards que se baseiam nele a opção ideal para a esmagadora maioria dos utilizadores que optarem por CPUs Ryzen, aliando excelente preço a elevados níveis de funcionalidade, melhorando o valor geral de toda a plataforma. De fora apenas ficou o suporte a SLI.
Modelos como a MSI B350M Mortar, ASUS Prime B350M-A ou Gigabyte AB350M Gaming 3, disponíveis a partir dos 80€, e as respectivas versões ATX, como as MSI B350M TomahawkASUS Prime B350 Plus ou Gigabyte AB350 Gaming, disponíveis a partir dos 100€, são perfeitos exemplos disso. Todas estas boards oferecem suporte a overclock e às ultimas tecnologias de I/O e armazenamento, incluindo, PCIe 3.0, USB 3.1 e M.2 NVMe, permitindo tirar o melhor partido de CPUs como hexa-core Ryzen 5 1600 ou octo-core Ryzent 7 1700.No mercado podem também encontrar-se alguns modelos baseados no A320, o chipset de entrada da AMD para esta plataforma, mas os preços desses produtos são muito semelhantes aos modelos B350 mais baratos, pelo que se tornam, na nossa opinião, irrelevantes. A verdade é que o muito pouco que se pode poupar com essas opções não compensa a perda de algo tão valioso como o suporte a overclock.

Mas eu quero suporte a multi-GPU!

Para quem pretender usar um par das placas gráficas mais recentes e poderosas com um CPU Ryzen, a escolha da motherboard passa obrigatoriamente por um modelo X370. Felizmente, não faltam opções.
Também aqui vemos a MSI SLI Plus, na versão X370, a assumir-se com uma das melhores opções qualidade/preço, trazendo o suporte a SLI até aos CPUs Ryzen por 140€.
Por cerca de 200€, a Gigabyte  AX370 Gaming 5 revela-se uma excelente opção para quem procura funcionalidade extra, como dual-LAN, U.2, RGB, áudio superior, etc.
E para os entusiastas empenhados em tirar todas as gotas de potencial desta plataforma, mais uma vez a ASUS Crosshair VI Hero assume-se como a referência, graças ao que provavelmente será a BIOS mais madura para motherboards AM4.

E as mini-ITX?

Desde o lançamento dos CPUs Ryzen que temos prometidos chipsets, por parte da AMD, especificamente dedicados a este formato, que deveriam, à partida, permitir melhor integração e, sobretudo, preços. Infelizmente, ainda não há qualquer sinal deles no mercado. Felizmente, os fabricantes não cruzaram os braços e a pouco e pouco começaram a surgir propostas baseadas nos chipsets existentes.
Entre elas destacamos a ASRock Fatality AB350 Gaming-ITX/AC, cujo preço de 125€ a torna actualmente imbatível neste nicho. Completa com suporte a overclock, drives M.2 e WiFi Ac integrado. Com a restante (parca) oferta a situar-se toda acima dos 150€, esta ASRock torna-se a escolha óbvia para quem pretende montar um sistema ITX baseado em Ryzen.

AMD – TR4

Os CPUs Threadripper foram, talvez, o lançamento mais excitante do ano, entrando de surpresa e rompante no segmento dos desktops de gama alta, um sector até então exclusivo da Intel. Talvez por serem uma novidade ainda recente e tão de surpresa, a oferta de motherboards ainda é um pouco escassa. E, também, um pouco cara, ao que não será totalmente alheio o socket absolutamente gigantesco usado pela plataforma.
Para compensar, as motherboards actualmente disponíveis são muito completas, fazendo jus ao segmento em que se inserem e aos CPUs que suportam, integrando todas as mais recentes tecnologias e vastas possibilidades de expansão.
Entre os modelos mais em conta (neste contexto) contamos com a MSI X399 Gaming Pro Carbon AC, a Gigabyte X399 Aorus Gaming 7 e a ASRock X399 Taichi, que por 400€ incluem praticamente tudo o que se pode esperar de uma motherboard, incluindo 3 slots M.2 PCIe, suporte para até 128GB de RAM e WiFi AC, entre outros.
Do outro lado do espectro temos a ASUS ROG Zenith Extreme, que justifica os 580€ pedidos com o Wifi AD integrado e a inclusão de uma placa de expansão 10Gigabit Ethernet. Esta placa é, sem dúvida, um extra valioso, mas acreditamos que a ASUS, e os utilizadores, teriam a ganhar com a oferta de uma variante desta motherboard sem a placa 10GbE, por um preço mais atractivo.
No futuro próximo é expectável que surjam mais opções no nosso mercado, algumas talvez até com preços mais competitivos. Na altura, cá estaremos para actualizar este guia com as ultimas novidades.

Etiquetas

Artigos Relacionados

Close