AnálisesDestaque

Motherboard MSI X99S Gaming 9 AC

Notas adicionais e Conclusão

Comecemos pela frustração que sentimos com esta análise, ou melhor, com aquilo que gostaríamos de ter feito e estudado que não foi possível. Pela primeira vez necessitámos de ter emprestado a motherboard que era o equipamento de teste, o processador e a memória RAM. É verdade que é a plataforma mais recente e sem qualquer apoio da Intel comprar cada processador deles não é barato, além disso começou um novo ciclo de memórias com DDR4 que se irá generalizar e diminuir o preço ainda que esperemos em plataformas mais equilibradas para o bolso, o mesmo é dizer em vez de ser quatro canais ser de apenas dois canais como estamos mais habituados.

Necessitávamos de mais tempo e essencialmente, quando estiverem a ler esta análise termos na nossa posse o hardware para poder responder ou mostrar algo que tenha ficado por analisar ou ver e seguramente ficou imenso por falar.

Esta motherboard é um dragão. Agressivo num preto baço e riscos vermelhos que se ilumina quando faz rugir os 6 cores do processador que é o mais fraco (se é que podemos dizer que haja alguma proposta fraca nesta plataforma) de todos para este socket. Quando desligado o dragão fica em silêncio.

A motherboard tem as dimensões de ATX-E porque ATX era pouco para tanta funcionalidade, essas que tem em abundância e que procuramos citar mas por onde começar.

Esta é uma plataforma claramente para quem procura o melhor quer em termos de processamento ao aceitar os Intel Core i7 com socket LGA 2011-v3. Sem compromissos em termos gráficos com suporte de várias GPU (até 4 em SLI ou CrossFire).

Ao suportar memória DDR4 de quatro canais temos a opção mais actual, mais rápida, com menor voltagem e até um máximo de 128GB.

O overclocking pode ser feito de múltiplas formas, via BIOS ou diretamente dentro do Windows com a vantagem da monitorização possível de modo a compreender quais os pontos a alterar.

O som não foi esquecido com o PCB dedicado, amplificadores e alimentação própria.

Os jogadores têm à sua disposição tudo o que necessitam não só para jogar com a melhor performance possível mas também de fazerem streaming de vídeo e áudio que tão popular se tem tornado.

As opções de armazenamento vão do tradicional SATA , eSATA, ao novo SATA Express e o M.2 Gen3 x4 com velocidades até 32 Gb/s.

Não foi possível testar de forma efetiva o overclocking, a parte áudio por falta de equipamento adequado e a velocidade Wi-Fi e BT por o módulo não se encontrar no conjunto.

Os benchmarks não traduzem a totalidade da história conforme pudemos dizer anteriormente e que gostaríamos de frisar novamente já que a diferença de clock é muito grande, e em vários benchmarks o clock acaba por ser mais valorizado do que o número de cores, comparamos com a mesma quantidade de memória quando numa plataforma podemos ir até aos 128GB (quatro canais a usar apenas dois) e na outra apenas 32GB. Em termos de processamento gráfico é possível ter 4 gráficas e não apenas 3 como na outra plataforma que serve de comparativo. Para terminar, referir ainda a limitação de apenas ser possível usar M.2 Gen 2 x2 ou SATA Express enquanto que nesta motherboard é possível utilizar ambos em simultâneo e o interface M.2 ser Gen 3 x4, o que acaba por não ser verificado na análise mas que é importante para compreender a qualidade da motherboard aqui em apreço.

Uma nota para o anúncio muito recente – posterior a termos recebido este equipamento – por parte da MSI de um total de 12 novas motherboards com USB 3.1 que pode fazer considerar comprar a versão correspondente a esta motherboard.

recomendado_zwame

A ZWAME agradece à MSI o equipamento para análise.

Página anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Etiquetas

Artigos Relacionados

Back to top button
Close
Close